Negativa da Anvisa sobre Sputnik V pode ter sido correta, mas seu aparelhamento preocupa

A foto mostra o diretor-presidente da Anvisa, Barra Torres, participando de live com o presidente Bolsonaro.
Botão Siga o Disparada no Google News

Não tenho a menor condição de opinar sobre a decisão da Anvisa ao não liberar a Sputnik V e de exigir mais informações sobre a Butanvac. Segundo cientistas de indiscutível competência, como Miguel Nicolélis e Gonzalo Vecina, a Agência agiu corretamente.

Mesmo assim, paira uma desconfiança em vários setores da sociedade, que se expressa, por exemplo, na contrariedade de Ricardo Lewandoswski. As dúvidas advêm da possível subjetividade política que teria entrado na conta do parecer, sabendo-se que o governo Donald Trump já havia pressionado Bolsonaro para que não adquirisse o imunizante russo.

A isso se soma o aparelhamento militar que o genocida promoveu em vários organismos de Estado, e a Anvisa não é exceção. Cerca de 6 mil parasitas fardados dobram seus soldos preenchendo os respectivos ócios na operação de desmonte e desmoralização da máquina pública.

Sempre vale lembrar que, em 2007, a imprensa fez um verdadeiro escândalo quando Marcio Pochmann assumiu a presidência do Ipea. A grita contra o “aparelhamento” de órgãos oficiais foi unânime entre as corporações de mídia.

Um cínico como Elio Gaspari chegou ao ponto de chamar Pochmann de “comissário”, em alusão a membros do Partido Comunista da União Soviética – agremiação cujo nome gente como Gaspari deveria lavar a boca antes de pronunciar.

O resultado está aí. Os técnicos da Anvisa são sérios, até prova em contrário. Mas a falta de escrúpulos da malta castrense a mando do genocida coloca em dúvida até mesmo repartições de prestígio.

Repito: não tenho condições de opinar sobre uma decisão que deve ter sido pautada pelo rigor científico. Mas lamento o descrédito a que instituições de excelência estão sendo levadas por essa gentalha.